terça-feira, fevereiro 10, 2015

EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE

                  diversidade cultural é um fato tão antigo quanto a humanidade. Baseando-nos na definição mais simples de cultura - que está vinculada às maneiras de fazer, pensar e sentir -, podemos facilmente verificar que sempre houve diferentes maneiras de viver. Modos de vida que eram, e são, partilhados pelos membros de um grupo social e que faziam parte das identidades culturais de tais comunidades. O que é relativamente novo é a valorização dessa diversidade. Hoje, defendemos que essas identidades culturais não devem ser ignoradas, mas sim valorizadas.
O fundamento dessa crença no valor da diversidade cultural está na ideia de que todos os grupos sociais têm uma contribuição importante para a cultura nacional. O mesmo podemos dizer das diversas culturas nacionais em relação ao mundo globalizado. Apesar de todo discurso em defesa da diversidade e do direito às diferentes identidades culturais, ainda existem muitos que são contra, provavelmente devido ao medo de perder algum privilégio social. Por outro lado, muitos que são favoráveis a uma sociedade onde a diversidade se faça presente também são professores que não sabem muito bem como isso pode ser ensinado.
Muitas vezes, as escolas têm adotado a postura mais cômoda, lançando mão de adotar comemorações em datas específicas. Mesmo que as intenções sejam nobres, falar das culturas indígenas apenas no “dia do índio” ou das culturas africanas somente no “dia da consciência negra” pode significar que tais identidades não serão motivo de preocupação no restante do ano.

               O Censo de 2010, realizado pelo IBGE , apontou a seguinte composição da população brasileira: somos aproximadamente 191 milhões de habitantes divididos em 47,51% de brancos, 7,52% de pretos, 1,10% de amarelos, 43,42% de pardos, 0, 43% de indígenas (além de alguns que não declararam). Diante desses números, não resta dúvida que todos os estudantes deveriam aprender a conviver e interagir em um ambiente predominantemente diverso.
Mesmo que consideremos apenas a diversidade étnica, acreditamos que a diversidade cultural presente nas escolas certamente pode produzir experiências de vida muito erinquecedoras. Esse resultado deve vir para os indivíduos das oportunidades de trabalhar lado a lado com outros alunos, diferentes de si mesmos. A existência de uma população diversificada  de alunos desenvolve, necessariamente, uma compreensão das diferentes perspectivas de entendimento do mundo e estimula os alunos a conviver em um ambiente onde a diversidade étnica está presente.
Historicamente, a escola brasileira era muito mais homogênea em sua composição. Grande parcela da população não frequentava os bancos escolares. Assim, quanto mais as escolas públicas tornaram-se diversificadas, maiores foram sendo as demandas por soluções eficazes para a questão da qualidade do ensino. Além dos conflitos inerentes à convivência com a diversidade; tanto alunos quanto professores precisavam aprender a conviver com o diferente. Um dos principais desafios para os professores é, então, ensinar de forma a não favorecer algum grupo étnico em detrimento do outro.