sexta-feira, fevereiro 06, 2015

BASES SÓLIDAS PARA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR


 INTRODUÇÃO

A  comparação que o autor Rubem Alves faz da aranha e suas teias com o professor e seus ensinamentos, permite afirmar que a escola, professores, alunos, família e toda a comunidade, tem importante papel social dentro de todo o processo educativo. A formação do professor deve ter bases sólidas,  é necessário que o mesmo ensine e saiba o que realmente está ensinando, com isso fica claro a importância de se fazer pesquisas e desenvolver teorias; assim como a importância das disciplinas ligadas à área da educação e que fundamentam todo o ensino-aprendizagem.

DESENVOLVIMENTO

A definição de educação, escola, professor e ensino-aprendizado, vem sendo aprimorada dia a dia desde o início da humanidade, com isso, o homem desde os tempos primitivos foi ocupando cada vez mais espaço no planeta e o conhecimento foi se renovando, permitindo que a civilização, se consolide através de uma educação formadora de indivíduos capazes de expandir e revolucionar a sociedade nos aspectos cultural, profissional, moral, etc.
Surgem os filósofos, autores importantíssimos que contribuíram com seus pensamentos para a formação da estrutura educacional, fruto da ação humana.
É importante ressaltar que:

Essas transformações só foram possíveis porque o homem utilizou-se de seu pensamento e ação para construir e reconstruir o espaço que o cerca, sendo que essas mudanças espelham aspectos econômicos, políticos, culturais e sociais. (CULTURA E SOCIEDADE, 2009, p. 179).

É por meio da educação que se inicia o processo de construção de uma cidadania ativa. A escola exerce o papel de transformar a realidade, contribuindo para que a educação extrapole os limites da sala de aula, envolvendo nesse processo a família e toda a comunidade; através da tarefa de ser um agente social, transformador de realidades com profundas deficiências educacionais, morais e sociais. No entanto, essas questões precisam ser analizadas e estudadas em todo seu contexto, levando em consideração os agentes negativos que poderão contribuir para ineficácia de todo o processo. Mas numa perspectiva transformadora, a escola educa para ouvir e respeitar as diferenças, a diversidade que compõe o local onde esta está inserida, faz com que  a escola seja um espaço de vida e não de morte. Não basta garantir o direito de todos à escola, é preciso assegurar também as condições para que todas as crianças possam permanecer na escola e progredir em seus estudos, garantindo-lhes uma educação de qualidade.
Considerando essa educação de qualidade, é necessário também que ela vá de encontro com o desenvolvimento  pleno do professor, que acontece quando este busca para si uma postura de investir na própria formação.
Para Paulo Freire ( Carta aos Professores, 2007):

A responsabilidade ética, política e profissional do ensinante lhe coloca o dever de se preparar, de se capacitar, de se formar antes mesmo de iniciar sua atividade docente. Esta atividade exige que sua preparação, sua capacitação, sua formação se tornem processos permanentes. Sua experiência docente, se bem percebida e bem vivida, vai deixando claro que ela requer uma formação permanente do ensinante. Formação que se funda na análise crítica de sua prática. Partamos da experiência de aprender, de conhecer, por parte de quem se prepara para a tarefa docente, que envolve necessariamente estudar.

Buscar o aprendizado e deixar-se ser ensinado, ou seja, o educador é parte de uma tarefa mágica, capaz de encantar crianças e adolescentes, o que é bem diferente de dar aula; dar aula é só dar alguma coisa a alguém. Ensinar e saber o que está sendo ensinado, é mais fascinante, através desse processo o professor acenderá a luz que guiará os passos de um ser humano por toda a sua infância, adolescência até a fase adulta. Não se pode educar sem ao mesmo tempo ensinar.
Freire, autor citado acima ainda diz que: “não basta saber ler que Eva viu a uva. É preciso compreender qual a posição que Eva ocupa no seu contexto social, quem trabalha para produzir a uva e quem lucra com esse trabalho.”
Uma educação sem aprendizagem é vazia e portanto degenera com muita facilidade o emocional.
Outra característica importante e fundamental para o professor é ser curioso, é a curiosidade que faz ele perguntar, conhecer, atuar; convocando assim a imaginação, a intuição, as emoções, a capacidade de comparar, buscar conhecer o que precisamos para constatar que a prática em sala de aula vale a pena, pois dessa forma o professor vai provocar nos alunos a curiosidade, tornando-os criativos, leitores, escritores e que vejam nessa proposta, bons motivos para desejar cada vez mais aprender.
A atuação do professor sobre a personalidade da criança é, em alguns casos, mais importante do que as atividades curriculares.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O  professor é a ponte mais importante da passagem do mundo infantil para o mundo adulto, pois junto com os pais, os professores são responsáveis pelo encorajamento ao crescimento e independência das crianças. Ai está o cerne de sua função social, porém como personalidade e não como um mero transmissor de conhecimento ele deve estar preparado psicologicamente para exercer plenamente suas funções com responsabilidade e harmonia. Esta atitude não poderá ser obtida forçosamente, porém deverá vir de modo natural à medida que o professor se comporta de acordo com o que ele se propõe a ensinar.
Para a conclusão deste trabalho, digo que os desafios foram muitos. Portanto, através das pesquisas e conceitos ministrados pelos professores do semestre, consegui entender com clareza a necessidade que o professor tem em dominar o assunto apresentado a seus alunos e mais ainda, a importante função social que a escola exerce em todo seu contexto.

(...) e educador já não é aquele que apenas educa, mas o que, enquanto educa, é educado, em diálogo com o educando, que, ao ser educado, também educa (...)
Paulo Freire
REFERÊNCIAS

CULTURA E SOCIEDADE, 2009, p. 179

FREIRE, Paulo. Ensinar e Aprender, (Carta de Paulo Freire aos Professores.)


PORTILHO, Vanilde Gerolim, O Papel do Professor, 2004